segunda-feira, 11 de março de 2013

Lixo pode gerar energia e abastecer 1,5 milhão de brasileiros


Aproveitamento do biogás gerado pelos aterros pode gerar uma boa quantidade de energia elétrica, desde que haja investimento e uma melhora na coleta seletiva

Na natureza, nada se cria e nada se perde, tudo se transforma. Seguindo o princípio criado por Lavoisier, é interessante pensar em que acontece com as coisas que descartamos simplesmente por sobrarem, não servirem ou estragarem. Em outras palavras, que fim toma o lixo quando ele sai de nossas casas?
Arquivo Agência BrasilArquivo Agência Brasil
O Brasil produz 198 mil toneladas/dia de resíduos, mas 11% não são nem coletados e outros 41% têm destinação inadequada
É mais fácil acreditar que ele simplesmente some, mas na verdade ele se acumula em aterros, rios, calçadas e uma centena de outros lugares impróprios para receberem resíduos. Mas uma solução revelada em um estudo recente sugere que olixo, se bem utilizado, pode gerar energia elétrica para 1,5 milhão de brasileiros.
Conforme informações divulgadas no “Atlas Brasileiro de Emissões de GEE (Gases do Efeito Estufa) e Potencial Energético na Destinação de Resíduos Sólidos”, lançado recentemente pela Abrelpe (Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), o país produz diariamente 198 mil toneladas de resíduos. No entanto, 11% desta produção não são nem coletados e outros 41% têm destinação inadequada.
Agência BrasilAgência Brasil
Com um investimento governamental e maior aplicação dos cidadãos na coleta seletiva, seria possível aproveitar melhor a energia do lixo
Trata-se, na verdade de um melhor aproveitamento de gases que emanam do lixo. O sistema de recolhimento desse biogás para fins energéticos já existe no Brasil, mas apenas em uma quantidade pequena de aterros.
Ainda segundo o estudo, para que a energia proveniente do lixo fosse aproveitada, seria necessário um investimento de cerca de R$1 bilhão no setor, além de uma política mais eficaz de coleta seletiva – já que os resíduos orgânicos produzem melhor o biogás se separados dos recicláveis.






Fonte: Catraca Livre

Postar um comentário