quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Saiba como é o Natal de um quarentão melancólico em espetáculo gratuito

Com texto de Steven Berkoff, “O Natal de Harry” é apresentado no teatro Cacilda Becker

por Fabio Stachi
por Fabio Stachi


Espetáculo gratuito no Cacilda Becker revela como é o Natal de um quarentão melancólico.Escrito em 1982 pelo dramaturgo britânico Steven Berkoff, “O Natal de Harry” conta a história de um quarentão solteiro e melancólico que, às vésperas do Natal, é obrigado a lidar com seus dramas. Com direção de Georgette Fadel, o espetáculo é apresentado no Teatro Cacilda Becker nos dias 2, 3, 9 e 10 de dezembro, sempre às 21h. A entrada é Catraca Livre.

Numa espécie de auto psicanálise, Harry expõe sua solidão, literalmente conversando consigo mesmo, na sala de sua casa, às vésperas do Natal. Isso se dá por meio de um embate melancólico, angustiado e patético.

Fadel busca dar simplicidade ao espetáculo, no sentido de que os sentidos mais profundos das palavras se revelem. No processo de construção da personagem, a bailarina Gisele Calazans traz ferramentas para que o ator Marat Descartes descubra em seu corpo as possibilidades de expressão das características de Harry.

Serviço

O que
O Natal de Harry
 
Quando:
de 2 a 10/12Segundas e Terças às 21:00
 
Quanto
Degrátis*
 
Observação
* Ingressos distribuídos com uma hora de antecedência

+teatro

Espetáculo “A Festa” faz público refletir sobre a própria vida
Zumbi dos Palmares é retratado em musical na Caixa Cultural

Fonte: Catraca Livre

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Jogos Educativos


Fonte: Educar Para Crescer

Jogo do Superlativo



Fonte: Educar Para Crescer

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Proteja Brasil - Conheça o Aplicativo

Brasil e UNICEF lançam aplicativo que ajuda a proteger crianças

Um aplicativo para smartphones e tablets é o novo aliado no combate à violência contra crianças e adolescentes brasileiros. O Proteja Brasil, resultado de uma parceria entre o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Yves de Roussan, da Bahia, foi desenvolvido pela Ilhasoft.

aplicativo_unicef


O aplicativo apresenta de forma simples informações sobre os tipos de violência e indica ao usuário, a partir do local onde ele está, telefones e endereços de delegacias, conselhos tutelares e organizações que ajudam a combater a violência contra a infância e adolescência nas principais cidades brasileiras. Nas demais cidades, o aplicativo indica o Disque 100.
Para os brasileiros que estão no exterior, o aplicativo apresenta os números de telefones e endereços das Embaixadas e Consulados do Brasil no Exterior.

“As políticas públicas intersetoriais para prevenção e combate à violência são, sem dúvida, fundamentais. Mas se os cidadãos não denunciarem situações que caracterizam violações de direitos, nunca daremos um basta a essas práticas inaceitáveis”, diz a coordenadora da área de Proteção do UNICEF no Brasil, Casimira Benge. “Mudar essa situação está nas mãos de cada um de nós.”

O aplicativo já está disponível na Apple Store e no Google Play. Basta procurar pelo nome ‘Proteja Brasil’ para fazer o download.

Como parte da campanha de lançamento, uma animação criada pela agência Fermento para divulgação em redes sociais (#PROTEJABRASIL) explica como o software funciona. A narração é do ator Lázaro Ramos, embaixador do UNICEF no Brasil.

“Quanto mais gente souber da existência desse aplicativo, mais chances teremos de prevenir a violência e proteger nossas crianças”, diz Lázaro Ramos na animação, cuja gravação foi realizadapela agência A!Comunicações.

Fonte: ONU

Saiba como aproveitar a gratuidade dos museus de SP

MIS, Museu do Futebol e Museu da Língua Portuguesa são alguns espaços que oferecem um dia de visitação grátis

Orçamento apertado não é mais desculpa para deixar de visitar os Museus de São Paulo. 

Assim como acontece aos sábados na Pinacoteca e no Museu da Língua Portuguesa, outros equipamentos culturais oferecem um dia de visitação gratuita.

Às terças-feiras, o MIS (Museu da Imagem e do Som), que reúne música, cinema e tecnologia, abre as portas com ingressos a custo zero. 

Já o Museu do Futebol oferece a gratuidade às quintas-feiras. Aos sábados, além dos já citados Pinacoteca e Museu da Língua Portuguesa o Museu de Arte Sacra e a Estação Pinacoteca integram a programação cultural gratuita da cidade.

Já aos domingos é a vez do Museu da Casa Brasileira. A Casa das Rosas, Casa Guilherme de Almeida, o Memorial da Resistência, Museu Afro Brasil e o Museu Índia Vanuíre em Tupã, oferecem livre acesso todos os dias.
A extensão da gratuidade no Museu da Língua Portuguesa não foi escolhida ao acaso. Desde janeiro, o local passou a funcionar até 22h também às terças. A abertura estendida tem objetivo de ampliar as possibilidades de acesso do público, principalmente para quem trabalha ou estuda no horário tradicional de funcionamento.

SERVIÇO
Visitação gratuita nos museus 
 
Terças-feiras
 
Museu da Imagem e do Som - MIS (Av. Europa, 158 - Jardim Europa - São Paulo-SP)
Terça a sábado, das 12h às 22h | domingos e feriados, das 11h às 21h / 1º e 2º andares: de terça a sábado, das 12h às 19h | domingos e feriados, das 11h às 18h
2117-4777
Quintas-feiras
 
Museu do Futebol (Praça Charles Miller, s/nº - Estádio Paulo Machado de Carvalho - Pacaembu - São Paulo-SP)
3664-3848

Sábados
Pinacoteca (Praça da Luz, 2 - Luz - São Paulo-SP)
Terça a domingo, das 10h às 17h30
3324-1000
Museu da Língua Portuguesa (Praça da Luz s/n)
Terça a domingo, das 10h às 18h (a bilheteria fecha às 17h). Fechado às segundas.
3322-0080
Museu de Arte Sacra (Av. Tiradentes, 676 - Luz - São Paulo-SP)
Terça a domingo, das 10h às 18h.
5627-5393

Domingos
Museu da Casa Brasileira (Av. Brigadeiro Faria Lima, 2,705 - Jardim Paulistano - São Paulo-SP)
Terça a domingo, das 10h às 18h
3032-3727 / 3032-2564

Gratuitos todos os dias
Casa das Rosas (Av. Paulista, 37 - Bela Vista - São Paulo-SP)
Terça a sábado, das 10h às 22h | domingos e feriados, das 10h às 18h
3285-6986 | 3288-9447

Casa Guilherme de Almeida (R. Macapá, 187 - Pacaembu - São Paulo-SP)
Terça a domingo, das 10h às 17h

As visitas são realizadas com grupos de 4 pessoas, devido ao fato de o espaço de circulação interno ser exíguo
3673-1883 | 3672-1391

Memorial da Resistência (Largo General Osório, 66 - Luz - São Paulo-SP)
Terça a domingo, das 10h às 17h30
Agendamento de visitas educativas 3324.0943 ou 3324.0944
3335-4990

Museu Afro Brasil (R. Pedro Álvares Cabral, s/nº - Pavilhão Manoel da Nóbrega - Parque do Ibirapuera, portão 10 - São Paulo-SP)
Terça a domingo, das 10h às 18h (entrada até as 17h)
5579-8542

Museu Índia Vanuíre - Tupã (Rua Coroados, nº 521, Centro - Tupã/SP)
Terça a domingo, das 8h às 18h
(14) 3491-2333

Fonte: Portal do Governo do Estado

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Inclusão: deficiência física

O aluno cadeirante precisa tirar tanto proveito da escola quanto os outros alunos, inclusive nas aulas de educação física

Reportagem de Texto Cynthia Costa

Foto: INCLUSÃO
A inclusão de crianças com deficiência física vai além da infraestrutura da escola - inclui adaptações curriculares, tecnologias assistivas e acompanhantes
 
Ao entrar em um ambiente devidamente preparado para receber cadeirantes, logo procuramos por uma rampa. Mas incluir pessoas com deficiências físicas e/ou limitações motoras vai muito além disso, especialmente na escola, como aponta a cartilha do Ministério da Educação (MEC) que trata das deficiências físicas: “A criança com deficiência física não pode estar em um mundo à parte para desenvolver habilidades motoras. É preciso que ela receba os benefícios tecnológicos e de reabilitação em constante interação com o ambiente ao qual ela pertence”.
Inclusão e diversidade Especial Inclusão e Diversidade
Reportagens especiais sobre como promover a inclusão de crianças especiais nas escolas

Assim, o movimento de incluir alunos com deficiência física –lembrando-se que paralisia cerebral também configura esse tipo de deficiência – na escola regular tem sido cada vez maior e, aos poucos, o sistema educacional tem se adequado a essa demanda, sem perder de vista que a escola é lugar de todos, sem exceção, aprenderem.

“Encaminhamos os alunos à escola regular não para que eles permaneçam lá, simplesmente, mas para que possam aprender”, afirma a Profa. Dra. Roberta Galasso, coordenadora pedagógica da AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente). Doutora em pedagogia e currículo, a profissional defende, ainda, não apenas uma adaptação no currículo, mas sim uma construção curricular de modo que atenda a todos. “Deve haver uma mediação, isto é, elementos que configurem um processo acessível ao aluno”, complementa.

Com ajuda de especialistas, o Educar traçou orientações gerais para que o aluno com deficiência física seja de fato incluído no contexto escolar. Veja a seguir.


1.que são deficiências físicas?
Segundo o MEC, considera-se que uma criança possui deficiência física quando ela apresenta uma alteração completa ou parcial de um dos segmentos do corpo, o que leva ao comprometimento de funções físicas (decorrentes de problemas nos sistemas nervoso, muscular e/ou esquelético). São consideradas, entre outras, deficiências físicas: paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, amputação ou ausência de membro, membros com deformidade congênita ou adquirida (não entram aqui deformidades de natureza puramente estética e/ou que não alteram o desempenho das funções). Assim, a falta de um membro ou a sua deformação ou malformação caracterizam esse tipo de deficiência. A paralisia cerebral - que varia de caso a caso e também pode apresentar alterações comportamentais e intelectuais - é considerada uma deficiência física.
 
2. Escola informada
No caso de todas as deficiências, e também das deficiências físicas, é muito importante que a escola - a coordenação, os professores - tenha o máximo de informações possíveis sobre o caso em questão. Que tipos de sensibilidade (táteis, dolorosas) o aluno apresenta; como é a progressão/regressão/estabilidade de seu quadro; quais recursos realmente o ajudam a aprender etc. Para isso, a educação e a saúde devem estar próximas, com intercâmbio de informações entre os profissionais dos dois âmbitos. Há apenas uma ressalva: "Quanto mais informação, melhor. Mas o que a escola não pode fazer, uma vez em posse desses dados, é estigmatizar o aluno", alerta a Profa. Dra. Roberta Galasso.
 
3. Na sala de aula
 A respeito dos móveis e materiais didáticos, a Profa. Dra. Roberta Galasso, da AACD, dá uma dica: "Ver primeiro como o sujeito interage com os materiais para depois adaptá-los pode facilitar o processo". Preferencialmente, o aluno deve ficar nas primeiras fileiras ou bem no centro da sala, de forma que todos o vejam (e possam ajudá-lo, caso precise) e que ele participe ativamente da aula. O ideal (nem sempre praticável, é verdade) é que haja espaço suficiente para ele se locomover ali sem grandes dificuldades. Durante a aula, o professor deve estar ciente - e encarar com naturalidade - da necessidade desse aluno de auxílio ou de mais tempo para realizar uma determinada tarefa, o que pode ocorrer às vezes.
 
4. Estrutura arquitetônica da escola
 Para acomodar bem os alunos cadeirantes, é necessário que sejam feitos rebaixamentos nos meios-fios da entrada da escola e construídas rampas de acesso a todos os ambientes, além de sanitários que comportem cadeiras de rodas. Elevadores também ajudam, mas nem sempre são ideais, pois, como se houve falar com frequência, pode acontecer uma pane e o aluno perder aula por causa disso.
 
5. Tecnologias assistivas e Acompanhantes 
Máquinas de escrever especiais e computadores com softwares específicos ajudam pessoas com dificuldades motoras a escrever, assim como outras ferramentas, como ponteiras e recursos de voz. No caso de algum tipo de limitação nos membros superiores, é possível que o aluno necessite desses recursos, que são de seu direito (em dúvida, entre em contato com a secretaria de educação de seu município). Também é possível que a criança necessite de um acompanhante em sala de aula, para auxiliá-lo a expressar o que aprendeu. Nesse caso, são comuns os estagiários de pedagogia, que também se desenvolvem com a experiência.
 
6. Adaptações curriculares 
Dificuldades motoras, assim como de ordem intelectual/mental, podem exigir adaptações curriculares, especialmente nas aulas de educação física - cujas adaptações ainda são incipientes nas escolas regulares. "É hora, então, de desconstruir o conceito de competição e trabalhar com a cooperação", ressalta a Profa. Dra. Roberta Galasso, da AACD. Pode-se, por exemplo, usar uma bexiga em vez de uma bola para jogar vôlei, de modo que o aluno cadeirante vivencie também esse esporte.
 
7. Saídas da escola
Um ponto essencial: não adianta levar o aluno cadeirante na excursão se, ao chegar ao local, ele não terá, como os outros, acesso a toda a visita ou à atividade. É imprescindível que esse acesso seja verificado com antecedência pelo professor: o museu tem rampas e/ou elevador? O esporte oferece uma forma de adaptação para pessoas com deficiência física? Há local reservado a cadeiras de rodas no teatro? Nesse ponto, não há negociação: o aluno tem de participar da atividade como todos os outros - por isso, tenha em mente que a escolha do destino depende desses critérios. Essa também é uma forma de estimular a acessibilidade na sociedade em geral, exigindo adaptações em todos os locais.
 
8. Todos são iguais em sua diferença
O aluno com deficiência, exceto por auxílios específicos de que ele realmente precise, não deve ser tratado de forma distinta. A classe acaba integrando o colega cadeirante com naturalidade e o ajudando sempre que necessário - é importante deixar claro, aliás, que não há problema algum em ajudar um coleguinha em dificuldade, tenha ele alguma deficiência ou não. "O cultivo da cooperação traz ao grupo valores que precisam ser resgatados em nossa sociedade", finaliza a Profa. Dra. Roberta Galasso.
 
Fonte: Educar Para Crescer 

Secretaria da Cultura programa atividades para o Dia da Consciência Negra

Programação gratuita começa na noite de terça-feira, 19, e se estende até a quarta-feira, 20, com espetáculos e atividades em diversos equipamentos culturais do Estado. Quem decidir comemorar o Dia da Consciência Negra, na quarta-feira, 20, na capital paulista terá diversas opções de lazer. A programação gratuita preparada pela Secretaria da Cultura começa na noite de terça-feira, 19, e se estende até a quarta-feira, às 22h, com espetáculos e atividades no Vale do Anhangabaú e em diversos equipamentos culturais do Estado.

No Vale, o público poderá conferir, a partir das 18h de terça-feira, shows de Arlindo Cruz, Izzy Gordon, Turma do Pagode, Mulheres Negras, a banda Aláfia, Filarmônica Afro Brasileira e muito mais. A programação ainda se estende às Fábricas de Cultura, com shows de Dona Ivone Lara (sábado, 23, no Jaçanã e domingo, 24, no Capão Redondo, ambos às 16h) e Zezé Motta (terça, 19, às 19h30, no Jaçanã), entre outros.

Os museus do Governo do Estado de São Paulo também contam com ações em comemoração à data. No Museu Afro Brasil, o público poderá conhecer a exposição "A nova mão Afro Brasileira". O Museu do Futebol, a Casa das Rosas, o MIS e o Museu da Casa Brasileira, também terão programação especial.


Fonte: Portal do Governo do Estado


quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Sinta os aromas preferidos da Marquesa de Santos em exposição inédita

"Perfume de Princesa" leva à Casa da Imagem, ao Beco do Pinto e ao Solar da Marquesa de Santos uma tubulação com mais de 300 metros de extensão

divulgação
divulgação

Exposição inédita revela os aromas preferidos da Marquesa de Santos; sinta esse perfume
Conhecida por ter o mais famoso caso de relação extraconjugal com o imperador D. Pedro I, a Marquesa de Santos é homenageada na exposição “Perfume de Princesa“, que provoca uma sensação sinestésica ao público em três espaços da cidade.

Inédita, a instalação fica em cartaz de 3 de novembro deste ano a 2 de fevereiro de 2014 e pode ser visitada de terça a domingo, das 9h às 17h. A entrada é "Degrátis".


Um tubo de cerca de 300 metros percorre a Casa da Imagem, o Beco do Pinto e o Solar da Marquesa, três estabelecimentos culturais localizados um ao lado do outros. Quem percorrer a tubulação, pode apreciar os diferentes perfumes e aromas de que a Marquesa tanto gostava.

Há uma história que não se sabe se é verdadeira, mas que o curador da mostra, Wagner Malta Tavares, afirma ser imprescindível para a construção da exposição. Dizem que a Marquesa de Santos andava perfumada de acordo com seu humor. Se estivesse feliz, usava um aroma; se estivesse triste, usava outro.

O que

Perfume de Princesa

Quando:
de 03/11 a 02/02 
Terças, Quartas, Quintas, Sextas, Sábados e Domingos das 09:00 às 17:00

Quanto
"Degrátis"

Onde
Solar da Marquesa de Santos http://www.museudacidade.sp.gov.br/solardamarquesadesantos.php
 
Rua Roberto Simonsen, 136 - Metrô Sé Centro - Centro São Paulo (11) 3241-1081
Estação Sé (Metrô – Linha 1 Azul e Linha 3 Vermelha)
 

Casa da Imagem (Antiga Casa Um) http://www.museudacidade.sp.gov.br/casadaimagem.php
 
Rua Roberto Simonsen, 136-B Centro - Centro São Paulo (11) 3106-5122
Estação Sé (Metrô – Linha 1 Azul e Linha 3 Vermelha)
 
Beco do Pinto http://www.museudacidade.sp.gov.br/becodopinto.php
 
Rua Roberto Simonsen, s/nº Centro - Centro São Paulo (11) 3241-1081
Estação Sé (Metrô – Linha 1 Azul e Linha 3 Vermelha)


Fonte: Catraca Livre

Acabou de sair do forno: novo jogo 1889! Aprenda sobre a Proclamação da República brincando.



Fonte: Educar para Crescer

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Vote nos projetos de lei do Congresso e influencie as decisões que afetam todos nós

O VotenaWeb é uma página na Internet criada para publicização dos projetos de lei do Congresso Nacional do Brasil, onde o cidadão pode conhecer os projetos através de um breve resumo e votar, simbolicamente, se concorda ou não com as proposições dos parlamentares. Só poderão votar usuários registrados.

O site foi desenvolvido por uma empresa que tem como foco o emprego de tecnologias digitais para a criação de canais de participação de cidadãos em instituições, privadas ou governamentais, chamada Webcitizen. O VotenaWeb foi lançado no dia 14 de novembro de 2009, durante o TEDx São Paulo.Uma das principais características do site é o fato de que os projetos de lei do Congresso Nacional são traduzidos para uma linguagem mais simples e objetiva, permitindo que os usuários acompanhem as discussões da Câmara dos Deputados do Brasil e do Senado Federal.

O resultado da votação, Sim ou Não, pelos usuários, é visualizado em gráficos. Além disso, é possível que os internautas comparem seus votos entre si e com os dos deputados e senadores. Os projetos são lidos por analistas, que produzem um sumário e um resumo de cada um deles. São então abertos à votação por parte dos usuários e atualizados com os votos dos deputados e senadores tão logo passem pelas casas do Congresso.

Em maio de 2010 o projeto foi convidado a ser apresentado no evento Gov 2.0 Expo em Washington, D.C., o qual é co-produzido pela O'Reilly Media Inc. e UBM TechWeb. O VotenaWeb foi o único representante brasileiro convidado a participar deste evento que teve como objetivo divulgar ferramentas de internet que estimulam a participação da sociedade na política. Após a apresentação do projeto em Washington, a Webcitizen foi convidada pela ONU a participar também de um workshop sobre engajamento cívico em Barcelona entre os dias 21 e 23 de junho denominado “Envolvendo os cidadãos na Gerência de Desenvolvimento e Governança Pública para a realização dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio”.
 

Fonte: Wikipédia