quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Ouça a discografia completa e psicodélica de Pink Floyd no Youtube


Reportagem de Camila Garófalo 

The Dark Side of the Moon é o oitavo álbum de estúdio da banda britânica de rock progressivo
Os devaneios musicais mais psicodélicos do mundo do rock podem ser saboreados todos de uma vez só no Youtube. A plataforma reúne a discografia completa da banda Pink Floyd através do canal Eyeducation.
São discos completos desde “The Piper At The Gates Of Dawn” (1967) até “The Division Bell” (1994). Pink Floyd é a abreviação de The Pink Floyd Sound, nome escolhido em homenagem a dois músicos de blues: Pink Anderson e Floyd Council.
Antes disso, a banda já tinha atendido pelos nomes Sigma 6, The Meggadeaths, Tea Set e The Abdabs, The Screaming Abdabs e The Architectural Abdabs.
Durante as décadas de 1960, 1970 e 1980 o grupo atingiu sucesso internacional com álbuns como “The Dark Side of the Moon”, “Wish You” “Were Here”, “Animals” e “The Wall”.
Tá esperando o que para dar play?
BAIXE


Fonte: Catraca Livre

IBGE divulga Síntese de Indicadores Sociais de 2012

Dados revelam que na década de 2001 a 2011 o país apresentou melhoria na educação, especialmente na educação infantil, e na distribuição de renda
A Síntese de Indicadores Sociais (SIS) 2012, divulgado pelo IBGE, mostra melhoria na educação, na década 2001-2011, especialmente na educação infantil (0 a 5 anos), onde o percentual de crianças cresceu de 25,8% para 40,7%. Dentre as mulheres com filhos de 0 a 3 anos de idade na creche, 71,7% estavam ocupadas. Entre os adolescentes de 15 a 17 anos, 83,7% frequentavam a rede de ensino, em 2011, mas apenas 51,6% estavam na série adequada para a idade. Já a proporção de jovens estudantes (18 a 24 anos) que cursavam o nível superior cresceu de 27,0% para 51,3%, entre 2001-2011, sendo que, entre os estudantes pretos ou pardos nessa faixa etária, a proporção cresceu de 10,2% para 35,8%.
A SIS revela que as desigualdades reduziram-se, na década 2001-2011, em razão da valorização do salário mínimo, do crescimento econômico e dos programas de transferência de renda (como Bolsa Família). O índice de Gini (mede a distribuição de renda) passou de 0,559, em 2004, para 0,508, em 2011.
Clique aqui para obter as informações completas sobre o SIS 2012.
Leia também:
Fonte: nossasaopaulo.org.br

CONSTITUIÇÃO. Quem é esta Senhora?


Constituições anteriores

Uma constituição é a lei suprema de um País – daí a denominação Carta Magna. Trata-se de um documento que contém o conjunto de regras de governo, estabelecendo o ordenamento jurídico de uma nação.
Divulgação
Assembleia Constituinte de 1984
Ampliar
  • Assembleia Constituinte de 1984
O Brasil, ao longo de sua história, já teve sete constituições, sendo a mais recente a promulgada em 1988 e que está em vigor. Um breve olhar sobre todas as edições nacionais do documento ajuda a compreender melhor nossa própria história, já que cada uma traduz o contexto político e social na época em que foram criadas. 
A primeira constituição do Brasil data de 1824. Foi promulgada por D. Pedro I, após a dissolução da Assembleia Constituinte (que ele próprio havia instituído dois anos antes), ocorrida em virtude de disputas políticas entre seus integrantes e o imperador.
D. Pedro convocou um Conselho de Estado que redigiu o texto que fortalecia a monarquia unitária e hereditária, que estabelecia quatro poderes (Executivo, Legislativo, Judiciário e o Moderador, que se sobrepunha aos demais), e eleições indiretas com voto censitário (baseado na renda) e descoberto (não secreto).
Dois anos após a Proclamação da República (1889), foi promulgada a primeira Constituição republicana brasileira. Inspirada no movimento político-militar que levou ao fim do Império.
Dentre suas características principais estão a abolição de instituições monárquicas (o Poder Moderador, o Conselho de Estado e o Senado vitalício). Foi criado o sistema de governo presidencialista, com o presidente da República na condição de chefe do Executivo. O presidente passou a ser eleito por voto direto por quatro anos, sem direito a reeleição. Todos os homens alfabetizados com mais de 21 anos tinha direito de voto.
Outras marcas da Constituição de 1891 são: Poder Legislativo exercido pela Câmara dos Deputados e Senado Federal e ampliação do poder dos estados, com a introdução do princípio federalista. Também foi abolida a religião oficial com a separação entre Estado e Igreja Católica.
Em 1934 foi promulgada a terceira Constituição do Brasil, num contexto de intensa disputa política entre governo e os grupos integravam a Assembleia Constituinte. O período foi marcado pela Revolução de 1930 – movimento liderado pelos estados do Rio Grande do Sul, Paraíba e Minas Gerais, que pôs fim à República Velha e levou Getúlio Vargas ao poder – e pela Revolução Constitucionalista de 1932.
Nesse contexto, o novo texto constitucional assegurou a vitória do princípio federalista, ampliou o poder da União nos capítulos relativos à ordem social e econômica – temas inexistentes nas constituições anteriores. Trouxe avanços sociais importantes, como a criação da Justiça do Trabalho, o salário mínimo, a jornada de trabalho de oito horas, além do descanso semanal e férias anuais remuneradas. A Constituição de 1934 nacionalizou as minas, jazidas minerais, quedas d’água, bancos de depósito e empresas de seguro.
Já a Igreja obteve conquistas importantes com a introdução de um capítulo exclusivo sobre a família e a oficialização do casamento religioso.
Em 10 de novembro de 1937, Getúlio Vargas promulgou a quarta Constituição da história do Brasil – mesma data do implantação do Estado Novo, por meio de um golpe de Estado. Com forte caráter autoritário, o texto adotava um modelo de organização político-institucional fascista, centralizada na figura do presidente da República.
Com o final do Estado Novo, em 1945, a Assembleia Constituinte reuniu-se para formular uma nova Constituição, promulgada em 1946. Participaram deputados e senadores de nove partidos diferentes, o que garantiu a heterogeneidade político-ideológica aos debates.
Uma característica central da Constituição de 1946 foi a delimitação dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, a fim de evitar experiências como a do Estado Novo, na qual o Executivo se sobrepôs aos demais. O texto fixou o mandato presidencial em cinco anos, manteve a proibição à reeleição, restabeleceu a figura do vice-presidente da República e fortaleceu o Congresso.
A Constituição de 1967 foi promulgada durante o regime militar (1964-1985), que teve como característica principal a centralização do poder e a contenção das oposições políticas por meio dos Atos Institucionais (decretos aprovados sem passar pelo Legislativo). Nesse contexto, o texto constitucional responsabilizava diretamente o Executivo pelas questões relativas à administração pública e à segurança nacional.
Esta constituição ampliou o poder do Executivo, enfraqueceu o princípio federativo (reduziu autonomia política de estados e municípios) e materializou o regime de exceção dos militares por meio de medidas acessórias, estabeleceu a pena de morte para crimes ligados à segurança nacional e retirou o direito de greve e organização dos sindicatos.
Por fim, a Constituição de 1988 foi elaborada pelo Congresso Constituinte, composto por deputados e senadores eleitos democraticamente em 1986. O texto abrange normas consideradas irrevogáveis (as cláusulas pétreas, que não podem ser alteradas por meio de emendas constitucionais) e outras passíveis de alteração por meio de emendas constitucionais. São exemplos de cláusulas pétreas: o sistema federativo do Estado; o voto direto, secreto, universal e periódico; a separação dos Poderes; e os direitos e as garantias individuais.
Fonte: Portal do Governo

Abertas as inscrições para Programa de Estágio no Japão


20121025_toyama_620_01

Os funcionários da Secretaria da Educação interessados em participar do Programa de Estágio em Toyama têm até dia 7 de dezembro para se candidatarem. O intercâmbio, com duração de seis meses, começa no dia 19 de maio e termina em novembro de 2013.

Desde 2009, a província de Toyama mantém uma parceria com a Secretaria da Educação por meio do "Programa de Estágio para Promoção da Convivência Multicultural". A secretaria seleciona um educador por ano para passar seis meses no Japão, com todas as despesas custeadas pela província de Toyama.
O objetivo é fazer com que o intercambista ajude na formação de brasileiros que vivem no Japão e, ao retornar para o Brasil, compartilhe as experiências obtidas. Para participar do intercâmbio é necessário ser funcionário da Secretaria da Educação ou professor de escola Estadual do Estado de São Paulo, ter domínio da língua japonesa e faltarem, no mínimo, cinco anos para retirar sua aposentadoria. VEJA AQUI QUEM PODE PARTICIPAR
Os interessados deverão contatar uma das pessoas abaixo:
- Dra. Irene Kazumi Miura: Tel. 3218-3462 / E-mail: irene.miura@edunet.sp.gov.br
- Profª Maria Cristina Noguerol Catalan: 3225-5141 (CRE Mário Covas)/ E-mail: mcristina.noguerol@edunet.sp.gov.br
- Profª. Valeria Tarantello: Tel. 3866-0645 / E-mail: valeria.georgel@edunet.sp.gov.br

Fonte: Secretaria do Estado da Educação SP.


Curso para vereadores



Quinta-feira, 29 de novembro de 2012

No curso Organização e Funcionamento da Câmara Municipal, realizado na sede do Cepam, em São Paulo, no dia 27 de novembro, o advogado e coordenador de Assistência Jurídica do Cepam, José Carlos Macruz, encerrou os trabalhos do dia abordando as proibições e incompatibilidades envolvidas nas atividades legislativas municipais.
"São de quatro tipos: as proibições negociais, ou seja, aquelas que vedam ao vereador, desde sua diplomação neste ano, realizar negócios e manter contratos com o município ou entidades municipais; as incompatibilidades funcionais, isto é, regras que vedam o exercício cumulativo do mandato com cargos ou funções de confiança ou em comissão; as de caráter profissional, como, por exemplo, ser proprietário, controlador ou diretor de empresa que goze de favor decorrente de contrato com pessoa jurídica de direito público ou advogar em causa de interesse de entidade pública ou paraestatal; e, finalmente, as incompatibilidades de caráter político, como exercer, ao mesmo tempo, dois mandatos eletivos", esclareceu o coordenador.
Macruz - atividade envolve incompatibilidades legais 
As palestras do curso, que abordaram desde os direitos e deveres dos vereadores até a natureza, a organização e o papel de uma Câmara Municipal e o exercício de suas funções institucionais, foram concebidas e conduzidas pelos técnicos do Cepam José Carlos Macruz, Alicir Marconato e Ligia Simões.

Cruz - experiência e contato com regras e leis
Vereadores, assessores e servidores do Legislativo municipal de 15 cidades participaram, num total de mais de 60 pessoas.

O vereador eleito por Piracicaba, Pedro Cruz, resumiu a ideia força da iniciativa. “A experiência foi informativa e enriquecedora, especialmente ao proporcionar aos vereadores em primeiro mandato contato com as novas regras e leis que informarão nossas atividades a partir de primeiro de janeiro de 2013”, disse.
“Minha avaliação é que as palestras foram bastante esclarecedoras, meus cumprimentos ao Cepam. Também foi gratificante encontrar aqui jovens, de todo o estado, interessados nas lides da política”, comentou o novo vereador.

“A ideia é promover, ao longo do próximo ano, encontros regionais para discutir este importante tema, seja na sede do Cepam, seja no interior do estado”, informa Sílvio Aleixo, chefe de Gabinete do Cepam.
Sílvio Aleixo ressalta que, na maioria dos municípios paulistas, o número de vereadores aumentou. Desses novos, que totalizam cerca de 7 mil em todo o estado de São Paulo, 70% estão em seu primeiro mandato. “É um número significativo, e eles estão em busca de informação e capacitação para exercerem seus mandatos e bem desempenhar seus papéis nos legislativos municipais”, diz Aleixo.

É esse expressivo contingente o alvo prioritário do curso oferecido pelo Cepam. Sem esquecer certamente outros participantes, que desejem reciclar seus conhecimentos sobre o tema.

Aleixo - aumento do número de vereadores no estado
“Hoje não é incomum que os novos vereadores, na ânsia de resolver os desafios de suas cidades, queiram desempenhar um papel que na verdade cabe ao Executivo. Ao legislador municipal cabem os papéis fiscalizador, legislativo e julgador, e mesmo de assessoramento das ações e iniciativas do Executivo. Mas este último tem suas funções precípuas, que não se confundem com as dos vereadores. O novo curso proposto pelo Cepam esclarece esses pontos”, conclui Sílvio Aleixo.

Entre as funções dos novos vereadores, a advogada e técnica do Cepam, Alicir Marconato, deu destaque especial para a função fiscalizadora, que inclui diversas categorias. Entre elas, estão envolvidos os pedidos de informação, encaminhados ao chefe do Executivo municipal; a convocação de autoridades municipais para prestar esclarecimentos; a lei autorizadora de fiscalização prévia do Poder Legislativo em relação ao Executivo; a sustação de atos deste último; a apreciação das contas municipais; e as “comissões especiais de inquérito”, que se constituem em ferramentas que o vereador pode usar sempre que constatar irregularidades na Administração Pública. “O homem público tem o dever de dar o exemplo para toda a sociedade”, conclui Alicir.

Técnicos abrangeram vários temas durante o curso
A advogada e técnica do Cepam, Lígia Simões, tratou das funções administrativa e legislativa das Câmaras, as quais abrangem criação de cargos e funções e fixação de remunerações.

Ela também falou sobre a função precípua dos vereadores, que é a de elaborar leis locais, incluindo emendas à lei orgânica municipal, as leis ordinárias e complementares, os decretos legislativos e as resoluções.
“O vereador é o representante do povo e o responsável pelos votos que recebe. Seu papel é fundamental para, em harmonia com o Executivo, colaborar e aperfeiçoar o funcionamento da Administração Pública no município”, concluiu o presidente do Cepam Lobbe Neto, agradecendo a presença dos vereadores eleitos.

Fonte: Cepam

Ibope: brasileiro quer cuidar do lixo, mas não é atendido


Reportagem de  Warner Bento Filho



A menos de dois anos do prazo final para a implementação da coleta seletiva e para o fim dos lixões em todo o país, pesquisa inédita do Ibope revela uma situação curiosa: a população brasileira quer cuidar melhor de seu lixo, mas não é atendida pelos governos. O estudo, encomendado pelo WWF-Brasil no âmbito do Programa Água Brasil, foi divulgado na manhã desta quarta-feira (28), durante a Expocatadores, que vai até sexta-feira (30), em São Paulo. O Programa Água Brasil, concebido pelo Banco do Brasil, é desenvolvido em parceria com Fundação Banco do Brasil, WWF Brasil e Agência Nacional de Águas (ANA).

A pesquisa revelou que a maioria da população (64%) não é atendida pela coleta seletiva e 1% não sabe o que é isso. De acordo com o estudo, entre os 35% da população que são atendidos pela coleta seletiva, em apenas metade dos casos o serviço é prestado pela prefeitura. A outra metade é informal, prestada por catadores de rua, cooperativas ou associações ou entregues em pontos de coleta voluntária.

Entre aqueles que não contam com serviço de coleta seletiva, a disposição para separar materiais é alta: 85% se dizem dispostos a separar o lixo em casa se tiverem coleta seletiva ou ponto de entrega voluntária. 

De outro lado, a pesquisa também mostra que a população não quer pagar para ter o serviço. A maioria – 65% - é contra a cobrança da taxa do lixo.

O estudo revela, ainda, desconhecimento dos brasileiros em relação ao destino dos resíduos. Uma em cada três pessoas não faz ideia para onde vai o lixo produzido em sua casa. A consciência sobre resíduos prejudiciais para meio ambiente ainda é desigual: Pilhas e baterias são os mais conhecidos.

Disposição para a mudança

Apesar do desconhecimento, a disposição para adotar comportamento sustentável é alta: 41% dos entrevistados se dizem dispostos a adotar os três erres (reduzir, reusar e reciclar). E um em cada três entrevistados está disposto a abrir mão de produtos, ainda que com prejuízo da comodidade, e a exigir dos fabricantes solução para os impactos ambientais dos produtos. 

De acordo com o coordenador do Programa Educação para Sociedades Sustentáveis do WWF-Brasil, Fábio Cidrin, o desafio para a implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos “é muito grande”. Ele lembrou que, a menos de dois anos para o prazo final para municípios terminarem com os lixões e implementarem a coleta seletiva, não há sinais de que as metas serão cumpridas. 

O presidente da Fundação Banco do Brasil, Jorge Streit, lembrou que o Programa Água Brasil atua em cinco cidades brasileiras para desenvolver tecnologias e experiências que possam ser replicadas para todo o país. E observou que a pesquisa tem grande importância para o programa na medida em que estuda, além do descarte, os hábitos de consumo da população – justamente o ponto onde começa a geração de resíduo. 

O líder dos catadores de materiais recicláveis Severino Lima Júnior avaliou que a pesquisa mostra que a Política Nacional de Resíduos Sólidos “ainda está para ser implementada”. Segundo ele, ainda faltam informações e iniciativas. “Precisamos, por exemplo, de informações de ordem econômica. Saber quanto custa fazer a coleta seletiva, por exemplo”, disse. “É importante que esse estudo seja reconhecido pelo poder público”, concluiu. 

Veja aqui a pesquisa completa. 

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Você é Corrupto? Veja Situações em que Somos Corruptos e nem nos Damos Conta.

10 "práticas de corrupção" do dia a dia do brasileiro.


Quase um em cada quatro brasileiros (23%) afirma que dar dinheiro a um guarda para evitar uma multa não chega a ser um ato corrupto, de acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais e o Instituto Vox Populi.
Os números refletem o quanto atitudes ilícitas, como essa, de tão enraizados em parte da sociedade brasileira, acabam sendo encarados como parte do cotidiano. “Muitas pessoas não enxergam o desvio privado como corrupção, só levam em conta a corrupção no ambiente público”, diz o promotor de Justiça Jairo Cruz Moreira. Ele é coordenador nacional da campanha do Ministério Público “O que você tem a ver com a corrupção”, que pretende mostrar como atitudes que muitos consideram normal são, na verdade, um desvirtuamento ético.
Como lida diariamente com o assunto, Moreira ajudou a BBC Brasil a elaborar uma lista de dez atitudes que os brasileiros costumam tomar e que, por vezes, nem percebem que se trata de corrupção.

05lizeteverillo01
• Não dar nota fiscal;
• Não declarar Imposto de Renda;
• Tentar subornar o guarda para evitar multas;
• Falsificar carteirinha de estudante;
• Dar/aceitar troco errado;
• Roubar TV a cabo;
• Furar fila;
• Comprar produtos falsificados;
• No trabalho, bater ponto pelo colega;
• Falsificar assinaturas.



“Aceitar essas pequenas corrupções legitima aceitar grandes corrupções”, afirma o promotor. “Seguindo esse raciocínio, seria algo como um menino que hoje não vê problema em colar na prova ser mais propenso a, mais pra frente, subornar um guarda sem achar que isso é corrupção.” Segundo a pesquisa da UFMG, 35% dos entrevistados dizem que algumas coisas podem ser um pouco erradas, mas não corruptas, como sonegar impostos quando a taxa é cara demais.

Otimismo

Mas a sondagem também mostra dados positivos, como o fato de 84% dos ouvidos afirmar que, em qualquer situação, existe sempre a chance de a pessoa ser honesta. A psicóloga Lizete Verillo, diretora da ONG Amarribo (representante no Brasil da Transparência Internacional), afirma que em 12 anos trabalhando com ações anti-corrupção ela nunca esteve tão otimista – e justamente por causa dos jovens. “Quando começamos, havia um distanciamento do jovem em relação à política”, diz Lizete. “Aliás, havia pouco engajamento em relação a tudo, queriam saber mais é de festas. A corrupção não dizia respeito a eles.”

“Há dois anos, venho percebendo uma grande mudança entre os jovens. Estão mais envolvidos, cobrando mais, em diversas áreas, não só da política.” Para Lizete, esse cenário animador foi criado por diversos fatores, especialmente pela explosão das redes sociais, que são extremamente populares entre os jovens e uma ótima maneira de promover a fiscalização e a mobilização. Mas se a internet está ajudando os jovens, na opinião da psicóloga, as escolas estão deixando a desejar na hora de incentivar o engajamento e conscientizá-los sobre a corrupção: “Em geral, a escola é muito omissa. Estão apenas começando nesse assunto, com iniciativas isoladas. O que é uma pena, porque agora, com o mensalão, temos um enorme passo para a conscientização, mas que pouco avança se a educação não seguir junto”, diz a diretora. “É preciso ensinar esses jovens a ter ética, transparência e também a exercer cidadania.”

Políticos x cidadão comum

Os especialistas concordam que a corrupção do cotidiano acaba sendo alimentada pela corrupção política. Se há impunidade no alto escalão, cria-se, segundo Lizete, um clima para que isso se replique no cotidiano do cidadão comum, com consequências graves. Isso porque a corrupção prejudica vários níveis da sociedade e cria um ciclo vicioso, caso de uma empresa que não consegue nota fiscal e, assim, não presta contas honestamente.

De acordo com o Ministério Público, a corrupção corrói vários níveis da sociedade, da prestação dos serviços públicos ao desenvolvimento social e econômico do país, e compromete a vida das gerações atuais e futuras.

Fonte: Ayrton Becalle

Ensino Técnico é ampliado para todo o Estado com o programa Vence


Inscrições para vinte mil vagas na modalidade concomitante ou seja ao mesmo tempo começaram terça  feira dia 20 e vão até o dia 10 de dezembro. Participe.


O programa que articula o Ensino Médio da rede estadual ao Ensino Técnico está de cara nova. Com o nome Vence, a iniciativa traz grandes novidades para os estudantes de escolas estaduais paulistas.
A primeira delas é a expansão do programa, a partir de 2013, para todos os 645 municípios do Estado. Até 2012 a iniciativa era destinada apenas para cidades com mais de 40 mil habitantes, que somavam 155 municípios. Com a expansão, serão mais 23.572 vagas.
Antes intitulado Rede Ensino Médio Técnico (Retec), o programa atendia apenas 94 cidades, com mais de 80 mil habitantes e era destinado apenas a alunos da 2ª série do Ensino Médio ou Educação de Jovens e Adultos (EJA). Agora, o programa passará a atender também estudantes da 3ª série do Ensino Médio.
O objetivo é articular o Ensino Médio regular da rede estadual à educação profissional técnica. “É fundamental oferecer aos nossos alunos uma educação de qualidade que possa prepará-los para o mundo do trabalho”, afirma o secretário da Educação do Estado de São Paulo, professor Herman Voorwald.
Modalidade concomitante
Para 2013, serão abertas mais 20 mil vagas para a modalidade concomitante.  Neste modelo, o aluno cursa o Ensino Médio na rede estadual e o curso técnico à parte, em uma instituição conveniada. A Secretaria da Educação investirá, para possibilitar esta nova oferta, mais de R$ 100 milhões no próximo ano.
As inscrições para a modalidade começaram  na manhã, do dia 20 de novembro. Alunos interessados em se inscrever devem acessar a página do Programa e efetuar seu cadastro, até o dia 10 de dezembro. As aulas terão início em fevereiro do próximo ano.
Vale lembrar que o Vence, na forma concomitante, já atende 24 mil estudantes da rede estadual paulista. Destes, cerca de 15 mil concluirão seus cursos técnicos já em 2013. Esses jovens puderam escolher entre 56 cursos de formação profissional, oferecidas por 174 instituições de ensino técnico credenciadas pela Secretaria da Educação.
Os cursos técnicos oferecidos pelo Estado atualmente no modo concomitante são distribuídos em 10 eixos tecnológicos estabelecidos pelo Ministério da Educação (MEC) de formação técnica em diferentes setores da economia, como sucroalcooleiro, automação industrial, análise clínica, logística, informática, entre outros.
Modalidade integrada
Na modalidade integrada do Vence, os estudantes do Ensino Médio têm o curso regular integrado ao Ensino Técnico nas escolas estaduais. Esses cursos são ministrados em parceria com o Centro Paula Souza e o Instituto Federal de São Paulo. Atualmente, o modelo está implantado em 53 unidades de ensino distribuídas pelo Estado e oferece 21 tipos diferentes de cursos. 
Para 2013, a modalidade deve contar com a abertura de mais 3.572 vagas, em 24 cursos técnicos em 55 municípios paulistas, além da adesão de novas escolas ao programa. As inscrições para o modelo integrado por meio da parceria com o Centro Paula Souza estão encerradas e as provas acontecem no dia 2 de dezembro.
Já o cadastro de alunos interessados em fazer os cursos oferecidos pelo Instituto Federal de São Paulo deve ser feito até o próximo dia 30. São oferecidas 1.200 vagas em 16 cursos técnicos. Caso a procura seja maior do que a oferta, haverá sorteio nas respectivas diretorias regionais de ensino entre os dias 3 e 7 de dezembro.
As inscrições podem ser feitas até o dia 30/11 nas secretarias das escolas selecionadas em 15 municípios paulistas. Confira a relação por meio deste link.
Atualmente, a iniciativa atende a 31 mil jovens, sendo 28.535 matriculados na modalidade concomitante e 2.600 no modelo integrado.

Fonte: Secretaria da Educação do Estado SP.

Concorra a 500 vagas de bolsas de estudos para concurso público e OAB



divulgaçãodivulgação
Super concorridos, os cursinhos da LFG são indicados para quem almeja trabalhar no funcionarismo público ou passar na OAB
A rede de cursos preparatórios especiais LFG está oferecendo 500 bolsas integrais no V Concurso de Bolsas da instituição.
Os cursos são elaborados especificamente para a preparação de candidatos a concursos públicos de carreiras diversas, como jurídicas, trabalhistas e fiscais, além de programas especiais para a temida prova da OAB. Podem participar estudantes de todo o Brasil.A prova de seleção será feita via internet.
Inscrições podem ser feitas diretamente no site da rede até dia 3 de dezembro, às 20h.



Fonte: Catraca Livre.

Procon divulga lista de sites de compras não confiáveis


Documento contém mais de 200 páginas que devem ser evitadas pelos consumidores

A Fundação Procon de São Paulo, ligada à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, divulgou uma lista com mais de 200 sites de compras não confiáveis. Boa parte das páginas está no ar, e o consumidor deve evitá-las. A lista foi produzida pelo Procon a partir de reclamações de clientes. O principal problema ocorre quando o consumidor não recebe o produto comprado e não obtém resposta da empresa.
Os fornecedores não são localizados nem mesmo a partir de rastreamento feito no banco de dados de órgãos como Junta Comercial, Receita Federal e Registro BR, responsável pelo registro de domínios na internet. Tal dificuldade inviabiliza a solução do problema pelo Procon.

"Denunciamos os casos ao Departamento de Polícia e Proteção a Pessoa (DPPC) e ao Comitê Gestor da Internet (CGI), que controla o registro de domínios no Brasil, mas o mais importante é que o consumidor consulte essa lista antes de fechar uma compra pela internet para evitar o prejuízo", explica o diretor-executivo do Procon-SP, Paulo Arthur Góes.

"Guia do Comércio Eletrônico" do Procon orienta o consumidor sobre os cuidados que deve tomar na hora de fazer compras à distância.

Do Portal do Governo do Estado

Empresa holandesa cria mictório para uso em árvores


Será que esta ideia pegaria aqui no Brasil?


Na hora do aperto, são poucos os homens que têm reservas de se aliviar numa árvore ou poste qualquer. Sabendo disso, a empresa holandesa Aandeboom criou o chamado “P-tree”, um mictório de plástico feito para ser amarrado na base de árvores ou estruturas semelhantes. Testado em um festival da Dinamarca, o aparelho fica ligado à rede de esgoto através de um cano.
Assista ao vídeo da experiência.
 Fonte: Catraca Livre

Mais de 5.800 oportunidades para fazer cursos de idiomas


Os cursos são voltados para estudantes da rede estadual e têm início em 2013

Getty ImagesGetty Images
Todos os cursos são gratuitos
Os Centros de Estudos de Línguas (CEL) de São Paulo oferecem 5.835 vagas para estudantes da rede estadual. Alunos do Ensino Fundamental e do Ensino Médio podem se inscrever para os cursos deidiomas, como espanhol, inglês, italiano, francês, japonês, mandarim e alemão, nas secretarias das escolas que contam com uma unidade CEL.
Para efetuar a matrícula o aluno, ou o responsável, no caso de menores de idade, devem levar uma cópia do RG e uma declaração de matrícula da escola de origem.
Confira os cursos oferecidos em cada unidade e os prazos de inscrição:
Escola Estadual Rui Bloem
Rua dos Bogaris, 244 – Mirandópolis
CURSOS VAGAS
Espanhol 300
Inglês 60
Francês 90
Japonês 60
Escola Estadual Professora Júlia Macedo Pantoja
Rua Assupa, 200 – Vila Prudente
CURSOS VAGAS
Espanhol 150
Inglês 60
Italiano 50
Francês 50
Japonês 25
Mandarim 25
Escola Estadual Mario Casassanta
Rua Paramu, 693 – Vila Alpina
CURSOS VAGAS
Espanhol 90
Inglês 120
Italiano 60
Escola Estadual Alexandre Gusmão
Rua Cisplatina, 298 – Ipiranga
CURSOS VAGAS
Espanhol 120
Inglês 30
Italiano 30
Francês 30
Alemão 60
Japonês 60
Fonte: Catraca Livre

Guia de bolso reúne ofertas em São Paulo para dois – pelo preço de um


Seguindo modelo suíço, “Dois Por Um – Ame Sua Cidade” tem edição limitada

reproduçãoreprodução
Guia reúne 79 endereços com ofertas em que “um paga e o outro é convidado”.
Lançado em outubro deste ano, o guia de bolso  “Dois Por Um – Ame Sua Cidade”oferece uma boa oportunidade para quem deseja aproveitar São Paulo economizando dinheiro.
A publicação garante diversão para duas pessoas pelo preço de uma em 79 estabelecimentos cadastrados. Em sua segunda edição, o guia tem opções de comida, bebida, lazer e cultura.
Para obter os descontos, o leitor deve apresentar o livro no local e destacar um pequeno triângulo da página. Há opções de jantares, shows, spas, cinemas, baladas, teatros, entre outras. Os benefícios somados superam 3 mil reais.
Seguindo o modelo suíço, que já está na quinta edição, o livro é bilíngue e tem edição limitada. Foram publicados apenas 10 mil exemplares, disponíveis nas unidades da Livraria da Vila e na loja online, pelo valor de R$ 75,00 cada. 

Fonte: Catraca Livre

Cobrança pelo ponto extra da TV por assinatura? Não mais!


Com novo regulamento da Anatel, consumidor tem a chance de se livrar do pagamento de “aluguel” pela utilização do equipamento da operadora

A prática comum das operadoras de TV por assinatura de oferecer o serviço por meio dos decodificadores fornecidos por elas e cobrar uma espécie de “aluguel” pelo uso do aparelho foi modificada pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) em março de 2012. O novo regulamento proporciona ao consumidor a chance de não ter de pagar a mais pelos vários pontos de recebimento do serviço na mesma residência - os chamados pontos extras ou adicionais. “Na prática, o aluguel era uma cobrança pelo ponto adicional, embora ela já fosse proibida”, explica a advogada do Idec Veridiana Alimonti. 
 
O regulamento do SeAC (Serviço de Acesso Condicionado) determina que as operadoras ativem e emitam o sinal da programação para qualquer aparelho decodificador da casa, desde que esse seja homologado pela Anatel, de forma que o consumidor possa adquirir um equipamento e deixe de pagar o aluguel à operadora.
 
Entenda
O impasse sobre o ponto extra já durava anos. Em dezembro de 2007, a Anatel publicou o Regulamento de Proteção e Defesa dos Direitos dos Assinantes dos Serviços de TV por Assinatura (resolução no 488) que sinalizava a proibição da cobrança pelo ponto extra, mas não era muito claro e acabava deixando brechas legais para a continuidade dessa prática pelas empresas. Então, em abril de 2009, a Anatel finalmente aprovou a resolução no 528, alterando a anterior, e proibiu expressamente a cobrança pelo ponto adicional, estabelecendo que só era permitido cobrar por serviços de instalação e reparo da rede interna do assinante, ou seja, por eventos específicos, e não periodicamente.
 
No entanto, o assunto não foi encerrado aí. Por pressão das operadoras, a Anatel aprovou a Súmula número 9, em 2010, autorizando as empresas a alugar o decodificador, desde que em acordo com o assinante. Mas, como o consumidor era obrigado a usar o aparelho da própria operadora, o custo para ter o ponto adicional era inevitável. Apenas com a determinação do regulamento SeAC, o usuário pode, enfim, se livrar da cobrança abusiva.

Fonte: Idec